Vindima no Dão (parte II)


Vindima em Mouraz. Os brancos das vinhas do Outeiro, Chão do Vale, Vale da Presa, Gandara, Gola e Fraga. As castas Malvasia-Fina, Bical, Cerceal e Encruzado. Começámos às 7,30h com algum nevoeiro, o sol apareceu por volta das 10.30h, manhã amena e tarde quente e solarenga. Desengace das uvas e prensagens suaves durante a tarde e noite. Duas cubas de 5 mil litros quase cheias ficaram a macerar ao frio durante 24 horas.

video

Sem comentários:

Uma parte da história, por António Lopes Ribeiro

Nasci em Dezembro de 1970, numa casa de granito construída pelo meu pai, António Ribeiro, num terreno herdado pela minha mãe, Maria Fernanda, outrora pertença do meu avô que por sua vez o tinha recebido do meu bisavô. A pedra utilizada na sua construção foi, ela própria, arrancada nesse terreno. Segundo conta o meu pai, hoje com mais de 80 anos, a casa e os armazéns demoraram dois anos a construir. De uma terra inóspita e praticamente inculta nasceu uma bela construção e vários terraços perfeitamente aráveis, onde viria a nascer a vinha do Outeiro. Conta também que, nesse ano, em virtude da grande preocupação com a obra, perdeu praticamente toda a colheita de vinho...

Mesmo assim ainda teve tempo para plantar uma nova vinha. Nasci sobre uma adega, com cubas de betão, lagar e tonéis. Em Dezembro os vinhos ainda se ajeitavam no interior do vasilhame e os seus aromas atravessavam o tabuado que separava a adega do meu quarto. Sou o quarto filho, irmão de Adriano, Hélder e Jorge.